|
|

Semana 1 - Quarta-feira

Série: O MINISTÉRIO DA NOVA ALINAÇA

Mensagem: O ÚNICO MINISTÉRIO – (2 CO 3:5-8; EF 4:11-12)

Leitura Bíblica: At 1:8, 21-22; 4:19-20, 33; 20:24; 21:19; Rm 11:13

Ler com Oração: Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça (At 4:33).

Kit especial: O ministério da nova aliança - CONECTADOS COM DEUS + CORRER PARA VENCER

R$ 20,00




OS DOZE APÓSTOLOS TESTEMUNHARAM A RESSURREIÇÃO DE JESUS

O ministério da nova aliança possui liderança, não é um ministério sem rumo, sem direção. Desde seu início, em Jerusalém, e após o Pentecostes, o Espírito Santo conduziu homens a tomar a liderança na obra. Inicialmente essa tarefa coube aos doze apóstolos, que têm uma posição especial nesse ministério.

Os doze apóstolos têm um lugar especial no plano de Deus, em Sua economia. Eles são os que acompanharam o Senhor Jesus a partir do batismo de João, e acompanharam Seu ministério, ouvindo Seus ensinamentos. Foram testemunhas oculares de Seus feitos, de Sua morte, ressurreição e ascensão. Era um grupo muito especial, pois não foram muitos que seguiram Jesus em todo o tempo e em todos os lugares. Eles teriam de ser escolhidos pelo próprio Senhor. Foi, sem dúvida, um ministério muito honrado por Deus.

Em Apocalipse podemos ver a posição de honra desse grupo de apóstolos, ao lermos sobre os fundamentos da muralha da nova Jerusalém: “A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e estavam sobre estes os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro” (21:14). Veja que honra, pois os nomes deles estão nos fundamentos da cidade. Atos também mostra a importância desses doze discípulos: “É necessário, pois, que, dos homens que nos acompanharam todo o tempo que o Senhor Jesus andou entre nós, começando no batismo de João, até ao dia em que dentre nós foi levado às alturas, um destes se torne testemunha conosco da sua ressurreição” (1:21-22). Era requisito necessário que aquele que ocuparia a vaga de Judas, completando os doze, tivesse acompanhado Jesus desde que Este foi batizado por João até ser elevado às alturas. Isso era importante porque os judeus procurariam fazer de tudo para negar a ressurreição de Jesus. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa fé. Contudo os doze estavam lá como testemunhas oculares desse fato.

Nós também fomos chamados para ser testemunhas de Jesus: “Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas” (At 1:8a). Não somos meros pregadores de doutrinas vazias, somos testemunhas. Fomos salvos e temos experiências com o Senhor. Dia a dia experimentamos o Espírito Santo. 

Quando o Sinédrio interrogou a Pedro e a João, perguntando com que poder e em nome de quem faziam aquelas coisas, ao saberem que as faziam em nome de Jesus, ordenaram-lhes que não falassem ou ensinassem nesse nome. Eles responderam: “Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos” (At 4:19-20). Nós também somos como essas testemunhas do Senhor. Em todo esse tempo de vida da igreja e comunhão com o Senhor, temos muitas experiências a compartilhar. Então somos testemunhas. Ao sair para pregar o evangelho e orar pelas pessoas, revestimo-nos da mesma autoridade de que os apóstolos se revestiram. Somos ousados e não tememos ninguém: “Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça” (4:33). Esse foi o ministério dos doze apóstolos.

O ministério da nova aliança, que é único, também teve a participação do apóstolo Paulo. Ele tinha uma carreira a completar: “Em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus” (At 20:24). Assim nós também devemos ser testemunhas nesse ministério até completarmos nossa carreira. Esse é nosso foco, nossa meta. Nas duas passagens a seguir, ainda vemos Paulo falar sobre seu ministério: “Tendo-os saudado, contou minuciosamente o que Deus fizera entre os gentios por seu ministério” (21:19); “dirijo-me a vós outros, que sois gentios! Visto, pois, que eu sou apóstolo dos gentios, glorifico o meu ministério” (Rm 11:13).

Paulo tinha seu ministério, Pedro e João tinham os seus. Contudo esses ministérios individuais eram para o único ministério de edificação do Corpo de Cristo. Nós hoje também participamos desse único ministério.





Pergunta: Por que os doze apóstolos têm uma posição tão especial nesse ministério?

Meu Ponto Chave:

________________________________________________________________

Leitura de Apoio da Semana:

“Sucesso e fracasso de um líder” – cap. 4 – Dong Yu Lan.

“Aprendendo com os apóstolos” – cap. 2 – Dong Yu Lan.

“Romanos - a chave para entender 1 Coríntios” – cap. 3 – Pedro Dong.


Desenvolvido por Centersite - Editora Árvore da Vida © 2019 - Todos os Direitos Reservados